quinta-feira, 15 de março de 2012

Isto não é nada ao pé do que Jesus passou.

Lindsay Lohan
Os dias foram passando sem que me lembrasse de mim. Os problemas dos outros, os problemas que os outros criam, os problemas que afectam os outros e eu perdida algures pelo meio.
No início, o medo. O não querer acreditar que iria mesmo ter que atravessar aquele caminho. Eram pedras, obstáculos, lamaçais, pântanos e escuridão.
Depois dei por mim envolta em fúria, a revolta de quem não é ouvido. À flor da pele, a angústia de não ser lembrada. Cá dentro, tudo em chamas. A sanidade quase ida. E uma anestesia, de vez em quando.
Tentei atravessar o deserto equilibrando na cabeça o mundo inteiro. Desfez-se o chão.
Quando pensei que não aguentava mais, levantei-me e esforcei-me mais um bocado, que há sempre força em nós para lá do que supomos. De pé, com as pernas trémulas, decidi focar-me nos meus objectivos, na esperança de um futuro que nunca mais chega, enquanto remendava o vestidinho de criança que fora rasgado pelos lobos. Fiz quase tudo o que queria. Corri cansada, gemi, dei o litro. E quando cheguei à meta, caí. E não me apetece levantar. Não me apetece sair daqui. O frio do chão duro sabe bem. As pedras não magoam, porque tudo é ferida, tudo dói. Não tenho energias para me chatear mais. Já não quero chorar. Não consigo. Só quero adormecer.

4 comentários:

Buzz disse...

=) *

Fiona disse...

Ai Lamparina, que palavras... Espero que a energia e o tempo para ti volte bem depressa para não te sentires mais assim. Bj gd

Palco do tempo disse...

um beijinho **

menina lamparina disse...

Buzz :*

Uma seca, Fiona. Mal posso esperar pela passagem do tempo! :/ Obrigada, beiju*

Outro, Palco do tempo*

Beijinhos*