quinta-feira, 15 de março de 2012

Eu quero é dar-vos música(s).

Rihanna
Já não vos dou música há imenso tempo. Mais precisamente, desde o dia 17 de Fevereiro. Na altura falei-vos de uma das mais velhinhas pessoas da minha família. Desta vez, quero falar-vos de uma música que não suporto ouvir, por causa do mais novo membro da minha família. Adivinham quem? Exacto. A Mana Lamparina, pois claro. Ela não liga nenhuma à Rihanna, mas numa fase em que a fúria nos consumiu de igual modo, em que a sanidade era tão frágil quanto difícil de manter, esta música marcou-a. E marcou-me a mim também. Não posso ouvi-la. Mal começa, mudo de estação, de canal ou saio do local onde estiver. Traz-me um mix de raiva e impotência que me magoam sempre que recordo aqueles dias longos e angustiantes. Sempre que me lembro de como não fui capaz de protegê-la ainda mais. Sempre que revivo aquela sensação de leão enjaulado, cheio de fome, louco por liberdade, sedento de caça. Ouvir novamente cada acorde funciona para mim como o som da campainha para o cão de Pavlov. É automático: a mesma dor preenche cada pedacinho do meu corpo. O mesmo medo. Sentir-me sem chão e sem tecto. Revejo as lágrimas nos olhos que não sendo meus, quis secar. Queria roubar-lhe toda a dor, preferia ser eu a sofrer sozinha, percebem? Quando amamos assim, querendo proteger o outro da vida, do mundo, de todo o mal, dói ainda mais a consciência de que não pode ser. Esta música lembra-me da minha incapacidade para mudar o mundo. Lembra-me de que não posso enfiar verdades nas cabeças dos outros. Não posso fazer com que não errem ou evitar que dêem cabo de tudo o que está à sua volta. Esta música lembra-me da pior das verdades: eu não consigo controlar tudo. E porque as músicas não são sempre felizes e belas, hoje quis partilhar estas memórias convosco.

2 comentários:

Ervilha Coscuvilha disse...

A mim, esta música traz-me boas recordações, tem piada, vá. Estava no comboio e estava lá uma senhora com os seus 50 anos e com esta música no telemóvel a tocar.. E eu que pensava que isso era coisa de miúdos :P
Quanto ao teu sentimento, também tenho essa raiva, essa grande verdade de não conseguir ajudar as pessoas a evitar certos sofrimentos e desvios, alguns deles que poderiam ser evitados, na vida..

menina lamparina disse...

Estilo!!! :D Essa senhora é que curte, Ervilha! xD Quando for grande vou ser assim. :)

Quanto ao feeling, é a pior sensação do mundo... :S

Beijinho*