Lady Lamp

A Menina Lamparina cresceu e tornou-se na Lady Lamp, só pela piada.
Os dedos por detrás da sua escrita são da Ana.



o blog em poucas linhas

Fui uma criança feliz e tive a sorte de pertencer à geração transição, ou seja, saltei à corda e brinquei com berlindes mas tinha consolas, computadores e CD's. O Mundo nunca foi um mistério para mim porque sempre o amei, sempre o conheci. Ter um pai que quis ser veterinário de província influenciou todo o meu percurso e dotou-me de uma sensibilidade especial relativamente às gentes, ao povo, aos animais, ao campo, à ignorância. Essa vivência em contacto com a ruralidade patente na profissão dele, aliada à faceta cosmopolita que os fazia ser diferentes dos outros pais, deu-me bagagem para sonhar alto com os pés bem assentes no chão.
Vaidosa, profunda, sensível. Por um lado, sabia que a escrita era a minha vida. Por outro, sempre fui uma apaixonada pelo melhor do universo feminino: Moda. Roupas, sapatos, acessórios, cabelos, maquilhagem. Essa paixão tatuou-se em mim quando a minha mãe decidiu abrir uma perfumaria especializada em artigos de luxo. 
Quis ser modelo, mas o corpitxo não abonava a favor dessa pretensão. Quis então ser designer, mas quando me disseram que teria de aprender a coser, desisti. Paralelamente, dizia desde a primária que um dia seria jornalista. A Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra foi o caminho, que Londres era demasiado longe dos pais e da Mana Lamparina, o amor da minha vida. A profecia cumpriu-se. 
Decidi juntar tudo o que faz de nós mulheres num blog. Nasceu o LivePink, que deu lugar ao Lamparina. Mais despojado e menos sério. Mais de mim. A partir de 2016, o blog (já na fase LadyLamp, nome digno de uma autora com três décadas de vida), emparelha-se com uma nova era profissional e serve também de extensão da página de Facebook dedicada à Consultoria de Imagem, área em que me especializei. 


trinta coisas aleatórias que podem saber sobre a autora

  1. Sou cristã e não imagino a minha vida sem Deus.
  2. Tenho tatuagens.
  3. Tenho uma fobia da qual nem falo.
  4. Adoro cantar em qualquer registo: bossanova, fado ou jazz.
  5. Interesso-me por política mas só escrevo sobre o assunto profissionalmente.
  6. Sou preconceituosa: não suporto falta de educação em geral.
  7. Tenho um piercing.
  8. Não suporto injustiças.
  9. Choro com facilidade.
  10. Sou perfeccionista.
  11. Adoro decoração de interiores.
  12. Sou mandona.
  13. Adoro comer e morro por batatas fritas.
  14. Adoro cozinhar e nunca sigo receitas.
  15. Tenho muitas dores de costas, alergias, reumatismo e sou míope.
  16. Vicio-me em Coca-Cola e por isso evito beber.
  17. Sou tímida mas escondo-o com arrogância.
  18. Adoro ler.
  19. Gosto de pintar com acrílico sobre tela.
  20. Sou decidida.
  21. Adoro conduzir.
  22. Adoro jipes.
  23. As minhas pessoas têm muita paciência para mim.
  24. Já tive que perder mais de 20 quilos.
  25. Gosto mais de trabalhar que de estudar.
  26. Em miúda quis ser taxista.
  27. Sou mimada.
  28. Quero aprender a tocar viola mas tenho preguiça.
  29. Sou muito bem-disposta e adoro rir.
  30. Tendo a achar que tenho sempre razão.


50 c0isas


"As cinquenta coisas são uma série de pequenas listas nas quais identifico aquilo que me faz feliz. Não é nada de extraordinário mas, pessoalmente, acho importante agarrarmos as pequenas coisas da vida que nos motivam e nos fazem pensar que vale a pena."
A Ana começou e eu gostei. Porque já chega de chuva, tristeza, crise, neura, aperto. Uma lufada de ar fresco para recordar os pormenores. As coisas boas da vida, que nos fazem sorrir. O importante, afinal.
Com o mês de Novembro de 2011, começaram também as minhas 50 coisas.

Capítulo um
Capítulo dois
Capítulo três
Capítulo quatro
Capítulo cinco
Capítulo seis
Capítulo sete
Capítulo oito
Capítulo nove
Capítulo dez