segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

2013-2014: complexidades simples e paradoxos lineares.

SJP
Não consigo evitar a nostalgia. É uma melancolia que transborda de mim, um moer devagarinho, um pesar. É um momento solene, este em que assistimos à morte de um ano que se gastou. Todos eles têm prazo de validade e mesmo que não tentemos esconder a satisfação pela chegada ao final de alguns, é assustador notar a velocidade a que o tempo corre. De repente, estou uma mulher feita, com 28 anos, IRS, poupança, ordenado, planos, viagens, decisões, certezas... e um fardo cada vez maior ao ombro. O passado é cada vez mais pesado, mais longo, tão extenso quanto tudo o que vivi e senti, tudo o que aprendi, tudo o que doeu ou fez rir, tudo o que me emocionou e tudo aquilo que me irritou. E eu gosto de o trazer comigo, foi ele que me trouxe para este hoje tão bonito, que me completou o ser, tornando-me nesta pessoa rica em complexidades simples e paradoxos lineares.
No ano passado, recordo-me de sentir uma apreensão inevitável quanto ao ano de 2013, ainda que não o tivesse confessado a muita gente. Sabia que apesar de estar marcado por um dos meus números preferidos, traria com ele várias mudanças. E também sabia que isso seria muito bom, mas sem esquecer que as mudanças são sempre dolorosas. Como as tempestades: trazem barulho, confusão, estragos, desconforto... mas lavam tudo e exigem ser seguidas de renovação. Assim seria o meu ano: houve danos, perdas, mudanças de direcção, tomadas de decisão dificílimas com consequências indigeríveis. Chora-se um bocadinho, soltam-se uns rugidos para afastar quem não interessa e respira-se fundo. Mas depois veio a doce calma, a paz, o silêncio que só ouve quem atravessa todas as intempéries de queixo erguido, confiante e certo dos valores que o regem. Passa o silêncio e a Vida volta a cantar, suave, lenta, adocicada a melodia e o sabor do vento que nos faz deslizar sobre os acontecimentos. Não nos reerguemos, porque nem chegámos a cair. Só o olhar torna a focar-se no que realmente importa. Os sonhos tornam-se objectivos e os dias seguem. Mais um ano.

Desta vez, não sinto apreensão nem receios, não há medo nem renitências. E se o décimo terceiro ano destes dois mil se viria a revelar tudo o que temi antes da sua chegada, 2014 será o ano da transição. Estarei a trabalhar com os pés bem assentes no presente e os olhos postos no que virá. Sei que este vai ser um ano de construção, que se poderá revelar cansativo, mas que só pode ser muito frutífero. Certamente um ano feliz. Sei que sim. E espero que para quem me lê também.  

4 comentários:

Susana Correia Dos Santos disse...

Um bom ano para ti minha queria! Que seja suave...

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Gostei desta tua descrição do teu ano. Também me sinto assim muitas vezes, mas acho que 2014 para mim será memorável, assim o espero, e o mesmo te desejo a ti, um ano cheio de tranquilidade e alegria!

Lídia Carrola disse...

MENINA

Gostei de te ler.
Um NOVO ANO com os teus desejos cumpridos.
Muita, muita felicidade.
Bjnho

lídia Carrola

Anne Ant disse...

Adorei este texto!
Oh dona lamparina e quando nos planos a realização de um livro?