quarta-feira, 28 de março de 2012

Cagante.

Emma Roberts

Tínhamos pensado em chamar José Carlos ao nosso filho, quando fôssemos grandes. José é o nome do pai dele. Carlos é o nome do meu pai.
Eu nunca fiz questão de dar o nome dos avós à futura cria, mas como ele queria que o pai dele fosse homenageado, então achei justo que o meu também fosse.
José Carlos. Ficaria o Zeca, inevitavelmente. Não me agradava muito a ideia. É como os Franciscos ficarem Chicos.
Bom, a ideia foi posta de lado quando reparámos que o puto poderia ser gozado à força toda assim que os outros miúdos reparassem que ele seria... o Zeca Gante. Ora leiam lá. Zeca Gante. Não. Não pode ser.

8 comentários:

Beadelicious disse...

Muito Bom. Certamente ficaria com alguns traumas de infância. Associação demasiado fácil. =P

Karen Ussene disse...

uuuuhhhhhh true true >.<

Se eu pudesse escrevia um livro disse...

Elimina esse nome mesmo.. senão a criança irá sofrer :|

ana disse...

ahahahah, foi a melhor opção! :P

Ana Bauer disse...

Realmente!

Jota disse...

Não pode mesmo! coitada da criança :)

J. Pimentel disse...

Ahahah! Se calhar é melhor não mesmo. Mas não deviam pensar também num nome feminino? Ou é certo que saia um rapaz? :P

menina lamparina disse...

Lol Beadelicious ainda bem que reparámos nisto a tempo!! :D

Eheheheh Karen Ussene! :D

Já está fora do baralho, Se eu pudesse escrevia um livro! :)*

Mesmo, ana! :D

Não sei como não pensei nisto antes, Ana Bauer!! :D

LOL Jota!

Sempre que fiz os joguinhos das velhinhas, com agulhas e linhas, o resultado foi o mesmo, J. Pimentel: um rapaz e duas raparigas! LOL Vamos ver se é verdade... :D

Beijinhos*