segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Eu e o meu carro.

Nicole Kidman
Só eu sei conduzir o meu carro. Por me fazer sentir especial, adoro-o. Todas as manhãs, quando pouso as mãos no volante, agradeço a Deus por mais um dia de vida que lhe deu. E todas as noites Lhe peço que o aguente mais um dia.
O meu carro é sensível. Muito sensível. Tal como eu, não gosta de chuva nem de humidade, por isso, em alturas de mau tempo, mostra-me o seu mau humor mal tento abrir a porta para entrar. Não abre. Tiro a chave e volto a colocá-la na fechadura. Rodo-a um bocadinho. Destranca. Puxo a porta para mim. Tranca e não abre mais que um centímetro. Ainda não emagreci assim tanto, por isso, torno a fechá-la e à terceira, é de vez.
Entro cheia de cuidadinho, que o banco do condutor partiu-se e por isso, não convém forçar, para não ir à vida de vez. Pouso o meu rabinho e nem penso em encostar-me. É por isso que conduzo como o Mr. Bean, bem chegadinha para a frente. Isto causa-me dores de costas e transtorna-me um bocadinho porque tenho que fazer muito mais força para carregar na embraiagem. Experimentem durante um dia e vão perceber do que falo. Bom, mas isto só é válido para carros com mais de quinze anos, porque os pedais não podem ser molinhos e confortáveis como os de um carrinho novo.
Os pedais são, aliás, outra história. O travão, por exemplo, está pela metade. Gastou-se, coitado. Em vez de um rectângulo, tenho um triângulo. Ou será o acelerador? Já nem sei...
As mudanças não entram sempre à primeira. Arranham sempre um bocado, tem que se carregar bem a fundo na embraiagem e manusear a alavanca com um misto de delicadeza e firmeza. Toda uma técnica aprimorada ao longo de anos.
Volta e meia, os limpa pára-brisas disparam. E como o vidro está seco, as escovas fazem um barulho horroroso e extremamente irritante. Para solucionar o problema, basta acender e apagar os médios. Não me perguntem como descobri isto.
Se estiver muito, muito frio, ele tende a engasgar-se. É como uma sucessão de soluços. Em vez de andar contínua e constantemente, com a fluidez que se deseja, faz-me parecer um gangster do hip-hop. Os solavancos são mesmo fortes e o meu pescoço tende a ressentir-se. Só falta a banda sonora para que o quadro fique completo. Resolvo o problema com uma aceleração cheia de estilo, daquelas que assustam o mundo.
Houve tempos em que a buzina se descontrolou. Na ponta oposta da cidade, toda a gente podia perceber que a Menina estava a circular. Buzinava sozinho, assustava os peões e irritava os outros condutores, que desatavam a insultar-me enquanto esbracejavam. Eu limitava a rir-me às gargalhadas. Chato, chato, era quando isto acontecia comigo no trabalho ou dentro de casa, à noite. Podia acordar os vizinhos e tudo, já viram? É que não era preciso estar ligado para desatar a buzinar. Agora resolvemos o problema e já não tenho buzina.
O meu carro tem umas amolgadelas e eu cada vez o acho mais bonito.
Claro que às vezes fico chateada, principalmente quando fico sem gasolina porque o indicador não funciona... diz-me que está sempre na reserva, mesmo que tenha acabado de encher o depósito. Como gaja que sou, esqueço-me de contar os quilómetros e fico parada sem saber porquê.
Mas depois ele faz-me sorrir, quando fala comigo. Sim, o meu carro fala comigo. Mesmo que tenha a ventilação desligada, ele sopra-me, como que a dizer "tem calma, estou aqui contigo".
A minha mãe recusa-se a conduzi-lo, mas eu divirto-me imenso.

7 comentários:

Olhó Mau Feitio disse...

Enquanto estava a ler parecia que te estava a ver. Ri-me muito :D

Maria disse...

lol lol Lamparina mas que aventura deve ser conduzir o teu carro!!!!

O meu é mais recente mas tb n reage muito bem ao frio de trás os montes! enquanto não aquece, engasga-se umas quantas vezes ;)

gostei muito do texto. fez-me rir ;) mas compreendo completamente o carinho que tens pelo teu carro...

bjinho**

http://makeupblah.blogspot.com/

LOL aos 40 disse...

Olá,
olha se o teu carro tem «manias» e só tu as controlas...já somos duas...o meu é literalmente «cangalho» mas eu ADORO-O.
Poupadinho...lindo!
: )
bjs
fica bem

Beadelicious disse...

LOOL. já dei umas boas gargalhadas a ler o teu post! ;)**

Eu é mais bolos disse...

O que eu me ri com esta descrição. E eu sou daquelas pessoas que quando ri muito, chora, e já pus o meu gajo aflito por não perceber bem se eu estava a rir ou a chorar. Depois para ele perceber, tive que leh ler o post... coisa que demorou uns 15 minutos, já que as gargalhadas não me deixavam falar. Demais! :'D

marlene disse...

hahaha! Agora fizeste-me rir!

menina lamparina disse...

Ainda bem, Olhó Mau Feitio! Eu rio-me todos os dias com estas coisas (quando não me passo!)... :D :*

É uma aventura mesmo, Maria. Aos 400.000 kms, não poderia esperar outra coisa, não é? :D Mas adoro-o mesmo. lol O frio de trás os montes deve congelar até um Porsche novinho em folha, não? :)*

Que giro, também tens um destes, LOL aos 40!! :D Ahahahah uma pessoa afeiçoa-se a eles, não é? Ahahahaah :*

Ainda bem, Beadelicious! :D eheheheheh :)*

Eu é mais bolos, eu também choro a rir com imensa facilidade, mas juro que quando escrevi este post, a ideia não era ter graça... era mesmo contar-vos. Ainda bem que vocês se divertiram, porque de facto, não conhecendo o bólide em questão, isto deve ter MESMO piada!!! :D Deve parecer bem pior do que é na realidade... ahahahahahah Adoro saber que vocês se riem assim desse lado! :D :*

LOL marlene... um dia mostro-te a peça. E se a porta do teu lado se abrir, vais adorar... principalmente porque quase nunca conseguimos apertar o cinto! :D :*

Beijinhos*