quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Quando um gajo tem azar, até o gato lhe mija nas botas.

Rachel Zoe
O meu avô tinha frases para todas as ocasiões, para todas as situações e para cada caso. Aquela que dá título a este post é apenas uma amostra da sua exímia sabedoria. É uma simples constatação da veracidade da lei de Murphy.
E perguntam vocês:
- Lamparina, e então?
E eu respondo:
- Então nada. Porque a vida nem sempre corre bem e eu prefiro rir-me disso.
Ora já ando tão bem-dispostinha e nisto cortei o dedo do pé. O segundo, tadinho. Querem saber como? Com uma gilette.
E perguntam vocês, estupefactas com a inesperada e bizarra revelação:
- Como raio cortaste tu o teu dedinho do pé como uma gilette? - enquanto se perguntam, interiormente, se terei os pés peludos como a barata diz que tem, para me dar ao trabalho de os depilar com uma gilette. Não, não tenho pêlos nos pés, by the way.
A verdade é que o meu ginecologista conseguiu convencer-me dos perigos da depilação com cera nas axilas odeio tanto esta palavra! Mas sovaco é pior... e por isso, uso a gilette para o efeito. Nunca fiquei com uma mancha cinzenta debaixo do braço, ao contrário do que se diz por aí. Sempre usei a Venus, talvez porque aprecie imensamente a canção do reclame. Tanto que chamo à Mana Lamparina maibeibexizgáret. Bom, comprei uma gilette nova recentemente. A Venus lilás, da J.Lo., que é mágica. Não é preciso gel de duche nem gel depilatório nem sabonete nem nada, porque as lâminas têm duas barrinhas que em contacto com a água dispensam um gel suave que deixa a pele muito macia. Não sabia sequer que isto existia e por isso fiquei completamente eufórica no banho. Com o entusiasmo, deixei-a cair. Em cima do segundo dedinho do pé. Na articulação. Fiquei sem um bom bocado de pele, foi um lanho e tanto. No chão da banheira, uma nuvem vermelha contaminou a água e estive quatro dias coxa e impossibilitada de usar saltos altos. Sangramento constante. Ir ao hospital, tá quieto, apesar de sentir dificuldades na condução, porque preciso deste pé para o pedal da embraiagem e não consigo fazer grande força, nem com o pé de lado. Ontem passei-me e decidi que isto tinha de parar de sangrar e de me incomodar, afinal é só um corte. Vai disto com tintura de iodo. Gritos, urros e gemidos, que aquilo arde para caraças, mas parece que pelo menos já está selado. Não sangra. Foi como ter o período no dedo. Muito agradável, portanto. Agora ando com uma havaiana no pé esquerdo e uma pantufa no pé direito, porque ao ar isto deve sarar mais depressa.
Dramas da vida, que quando um gajo tem azar, até o gato lhe mija nas botas.

4 comentários:

Malas e Sapatitos disse...

O post ficou bem divertido, só é pena que te tenhas magoado...
As melhoras :)

menina lamparina disse...

Ahahahah ainda bem que achaste isso!! Ainda de pé quietinho, à espera que melhore. Nada de viagens longas. Bah.

Obrigada, beijinho*

Filipa disse...

Essa analogia do período no dedo fez-me rir à gargalhada enquanto o namorado olhava para mim com ar preocupado, contei-lhe porque me ria e continua preocupado...acho que eles não percebem!

Beijinho,
Filipa

www.welc-home.blogspot.com

menina lamparina disse...

AHAHAHAHAHAH e a mim fez-me rir imaginar essa situação... :D
Eles não percebem! :)

Beijinho*