segunda-feira, 5 de março de 2012

de tudo o que é antes.

Bar Rafaeli
Ela sabe que tem pinta. Que entra numa sala e vira cabeças. Sabe que os olhos dos outros gostam de se perder na pose altiva. Effortless poderia ser o seu nome do meio. Vocês estão a ver o estilo: aquele ar de quem não gastou horas em frente ao espelho, meio desarrumado, mas perfeitamente pensado. As madeixas desalinhadas, como se o cabelo fosse não menos que fantástico, com o aspecto sexy de quem acabou de sair da cama. A pele perfeita, aveludada, apetece trincar. Ou beijar. A boca não precisa de muita atenção, porque os lábios carnudos falam por si. E então evidencia os olhos num traço apressado e um excesso de rímel engrossando as pestanas. A roupa não pode falar mais alto que ela. Os trapos não podem brilhar mais que ela. Não quer ser a mais composta, mas sim a mais gira. Porque um vestido não faz uma mulher, mas uns saltos altos, os jeans de sempre e um top branco fazem maravilhas por qualquer corpo moreno e curvilíneo. A confiança em cada passo, o queixo erguido, um olhar snob e um sorriso aberto só para alguns. Poucos, porque não pode dispersar. Na sala inteira, há apenas uma pessoa que lhe interessa. E talvez ele nem saiba. Não... ele sabe. Porque ele foi o primeiro a reparar nela quando ainda era invisível. Ela só nota a presença de quem a admira. Só se dá depois de ser a fantasia. É a partir desse momento que sente todo e qualquer toque como um pedido. Como uma tentativa, como se a mão no braço dissesse o que a voz não consegue dizer. Como se o banal "Olá, tudo bem" estivesse cravado de segundas intenções, de entrelinhas, de mensagens subliminares. Como se o seu nome dito por ele tivesse outro poder. Nela, toda a atitude muda. O tom de voz, a dicção, o olhar. Tudo mais intenso. Ela tenta parecer natural e até finge que não quer saber, simulando uma certa distância só para parecer desinteressada, mas está à espera que ele a chame. E cheia de medo que ele não tenha visto nada do que ela imaginou. Nada mais intolerável que não ser querida pelo objecto de desejo. Enquanto ele não tiver coragem para a convidar para um café, ela vai transpirando charme.

6 comentários:

Ervilha Coscuvilha disse...

Transpirar charme, é o sonho de qualquer uma :P

Maria disse...

oh gosh, quem não gostaria de ser ela!? ;)

bjo*

mariana costa veludo disse...

Ela parece ser alguém que conheço desde sempre.

Palco do tempo disse...

Boa semana**

Fiona disse...

Que texto lindo, adorei! :)

menina lamparina disse...

Não é, Ervilha? :D

Podes crer, Maria... :)*

Sério, mariana? ;)

Para ti também, Palco! :*

Ohh que bom, Fiona! :)*

Beijinhos*