segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Não são só umas sabrinas.

(Imagem roubada daqui.)
Eu sou bem mais baixa que ele, mas os saltos altos são já uma extensão da minha perna, portanto, com mais doze centímetros debaixo dos pés, fico da altura dele ou mais alta. E ele adora ver-me baixinha(*).
Fomos às compras e decidi experimentar umas sabrinas. Porque sim. Porque estavam ali. Gostei. Quando dei por ela, já ele estava ao balcão a comprá-las para mim. Para ele e para a restante população mundial, é apenas mais um par de sabrinas em animal print. Simples, básicas, confortáveis. Para mim, foi o mote para muitas lágrimas. Talvez o meu estado de tristeza e revolta constantes me tornem hipersensível, mas as sabrinas recordaram-me de como é bom descer dos meus andaimes e ser abraçada por ele, encaixar nos braços dele. Olhar de baixo. De como é bom dizer "preciso de ti" e admitir que também sabe bem ser ajudada, ter uma mão extra. De como é bom tê-lo ao meu lado mesmo sendo uma perfeita anormal. As sabrinas recordaram-me de que ele não merece ser o meu saco de pancada. E fizeram-me sentir culpada por não ser dotada de um maior auto-controlo. Por não ser a melhor namorada do mundo, quando ele é o melhor namorado do mundo. E no dia seguinte, senti-me insegura, um medo enorme de que ele já não me amasse tanto. E fiquei feliz por sentir esse pequeno medo infundado. Enquanto o sentir, serei apaixonada pelo homem maravilhoso com que tenho o privilégio de namorar. E com quem quero namorar para sempre. Porque eu tenho horror ao termo "marido", mas quero namorar com o meu noivo até que ele me queira ao seu lado.

(*) Baixinha, salvo seja. Um metro e 65.

2 comentários:

Eli disse...

O meu rapaz quando me vê de saltos também fica um bocado irritadinho :)

menina lamparina disse...

Quanto medes, Eli?

Bonito vai ser escolher o sapatunfo para o casamento. ahahahah xD Recuso-me a ir de sabrinas!!