quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Porquê lamparina?

Scarlett Johansson
Foi um período em que atravessou, com passo lento e pesado, um caminho escuro. O mais escuro que já vira. Desceu até ao mais profundo da dor e ainda escavou. Era o mais fundo a que já se tinha arriscado ir, nos trilhos amargos. “Se te estás a enterrar, continua a escavar. Pode ser que ainda encontres um tesouro”, dizia-se. Não tinha rumo. Não sabia o que fazer. Só procurava, por entre as tarefas rotineiras, abraçar as suas obsessões, esconder os medos que a faziam feia, que se lhe inchavam os olhos pela noite dentro. Chorou rios salgados, oceanos de mágoa. Chorou o seu ano doloroso, dorido, as dores e as angústias de todo o mundo. Não conseguia vir à superfície. Anestesiada, sufocada, cansada. Como nunca havia estado. Na face, só o medo do que previa. Tinha as certezas todas e sabia-as certas; ainda que débil, o seu discernimento manteve-se acordado. A sua fragilidade nunca encobriu essa luz. Essa luz que faz dela o que é: forte, mesmo na fraqueza. Lambe as feridas e segue de cabeça erguida. Foram tantos os momentos que não queria viver mas que não conseguiu evitar, que seria normal considerar arrepiar caminho. Na verdade, esperou que a luz a trouxesse de volta para cima, que a elevasse acima dos outros, que é esse o seu lugar. E foi num rasgo de inspiração que se sentiu consumida pelo brilho que já trazia dentro de si. Voltou. De repente e aos poucos. Quando deu por ela, era o próprio Sol. Do seu mundo. Lam-pa-ri-na.

2 comentários:

Ana disse...

E é assim que a Amamos... linda, doce e muito BRILHANTE =)

menina lamparina disse...

:)*