terça-feira, 10 de agosto de 2010

Foi um susto.

Lindsay Lohan
Remexi a mala à procura deles e nada. Não estavam em lado nenhum. Comecei logo a ponderar refazer cada momento do dia de ontem. Percorrer cada passo dado, ir a cada balcão de café onde tenha estado ou de loja em que tenha entrado, na esperança de encontrar alguém honesto que me tivesse guardado os aviator. São básicos, são simples e são História. É esta a graça da moda - fazer de peças, de artigos, de objectos, verdadeiros pedacinhos de História. Os RayBan fazem parte desse grupo de objectos de culto. E eu gosto mesmo muito dos meus. Antes de a minha mãe nascer, já se usavam. Tenho fotos antigas, ainda a preto e branco, de familiares com os aviator no rosto. Lenny Kravitz, meu ídolo da adolescência, fez deles a sua imagem de marca. Tal como o Michael Jackson e mais mil e uma celebridades. Um dia destes, faço um apanhado da história deste modelo de RayBan. A razão para a sua criação e o modo como se integraram no nosso quotidiano remete para um inevitável paralelismo com as calças de ganga.
Bom, a sensação de os ter deixado algures à mercê de qualquer oportunista, fez com que o meu sangue gelasse.
"-Mana, estão aqui!" *suspiro*

3 comentários:

Maria disse...

se nao fosse eu a ir até à mesa da sala... tsc tsc tsc :)
<3*

João Gante disse...

Estavam no sofá da sala. Eu pu-los em cima da mesa da respectiva divisão.

menina lamparina disse...

lol