quinta-feira, 24 de outubro de 2013

detesto...

Kate Upton
...quando alguém se acha mais esperto do que o resto da população mundial e por isso, age como tal. Por outras palavras, detesto chico-espertice. Do género «posso fazer tudo pela calada que ninguém me vai topar» ou «até arrisco mandar uma posta no facebook que ninguém vai descobrir que estou, na verdade, a referir-me àquele assunto super secreto». Detesto gente que se acha, no fundo. E que se leva demasiado a sério. Tendem a subestimar a inteligência, esperteza e intuição alheia. Como se os outros fossem uma cambada de pacóvios tapados que não sonham onde as ideias hilariantes daquele cérebro sobredotado podem chegar. Por norma, diz-me a minha (não muito longa, mas invulgarmente intensa) experiência que são esses os melhores exemplos de quão pouco inteligente pode ser a vida humana. E se o meu dedinho mais fofo não me engana, diria até que essa constante atitude é reveladora de um profundo desconhecimento sobre si e sobre o próprio funcionamento dos mais variados meios sociais. No caso particular que me inspira este aglomerado de linhas, eu aventurar-me-ia até a falar em graves deficiências no desenvolvimento de faculdades indispensáveis à socialização, em profundas lacunas na auto-estima e consequente insegurança e, porque não, ainda que paradoxalmente, numa certa mania da perseguição, que faz com que a pessoa sinta que todo o mundo conspira contra si, já que toda a gente tem um avassalador interesse em tudo o que faz, diz ou pensa. São desequilíbrios. E terão tido as suas razões para acontecer. E perguntam vocês: o que é que se faz nestes casos? E eu respondo: não se remove a amizade do face, que isso é dar demasiada importância. Aprendei: desactivam-se as suas publicações no feed, está claro. Só para não alimentar essa sede de protagonismo. E deixa-se estar. A Vida encarrega-se do resto. Não podemos andar para aqui todos armados em Madre Teresa, a tentar explicar as cores aos daltónicos(*), não é?

(*) Direitos de autor: ouvi esta expressão, mais ou menos assim, no Alta Definição do fim-de-semana passado e adorei. Tantas vezes tento dizer a mesma coisa sem este rigor!

1 comentário:

Sophia B. disse...

Não sei o que se passa neste mundo do FB ou Blogger e também nem sei que estas linhas serão sobre o mesmo que li noutros blogues (possivelmente até nada terá a ver e nem isso interessa), mas o que é certo é que anda meio mundo a tentar meter-se na vida de outro meio mundo e também por isso outro meio mundo fale sobre estas questões mesquinhas e pouco dadas a inteligência de criaturas que se julgam "a última bolacha do pacote".
Mas para mim, ignorar. Oh que bem que se está!
=)