segunda-feira, 13 de maio de 2013

Luanda #1

Sobrevoava Luanda e sentia um aperto no estômago. Àquela altitude, já podia perceber que o mundo em que iria aterrar era outro, completamente diferente do meu. Via muitas zonas sem iluminação, amontoados de casinhas que não me pareciam casas, mas barracas. A luminosidade era diferente, havia qualquer coisa no céu como há nos céus filmados pelos documentaristas que se aventuram por África. E então aterrámos e eu queria sentir o tal bafo quente de que toda a gente me falara. Percebi porque é que a minha prima tinha achado que aquele calor só podia ser culpa das turbinas do avião: é um bafo quente a sério. Parecia que tinham deixado o forno aberto depois do bolo cozido. Um quente diferente, que não entra por nós adentro como cá. Não o respiramos porque há sempre uma brisa. Não transpirei. Sentia-me peganhenta, mas nada mais que isso. E o cheiro era adocicado. A comoção era tanta que não podia sair de mim através de lágrimas. Estava na terra da minha Vó, pisava o chão que foi o dela até ir para Portugal. Sentia um regresso a mim, ao que sempre correu cá dentro, física e emocionalmente: o sangue e o ser. Parte do que sou veio dali. Do solo quente, do sol laranja, do horizonte cortado pelos coqueiros, do Oceano que é o mesmo que banha o meu país mas que abaixo do Equador aquece. Ainda esperava pela minha tia, que nos ia buscar ao aeroporto mas que se encontrava presa no trânsito caótico, quando um outdoor me diz que ali existe uma Praia do Bispo. É o último nome do namorado da Mana Lamparina. E aí as saudades apertaram. Estava mesmo longe de casa.
Só não sabia que ia ganhar uma outra.

3 comentários:

Rosa Soares disse...

Ai que lindo texto. Gostei muito mesmo.
Sou Luanda, nasci e vivi cá toda a minha vida, é bonito ver-te descrever a sensação de estar cá. Espero que aproveite. Bjinhos.

meuagridoce.blogspot.com

Ana Catarina disse...

Espero que esteja a correr tudo bem por aí! :)

menina lamparina disse...

Já estou de volta, apenas saudosa...

Como se pode perceber, adorei Luanda. Adorei mesmo. :')*