terça-feira, 20 de novembro de 2012

Balthazar

"Say hi to the world, Balthazar!"
Apareci no Centro de Recolha e Protecção Animal de Ansião depois de ter vivido umas aventuras na rua. Andava sozinho e perdido há cerca de uma semana quando decidiram pegar em mim e levar-me para lá. Tive a sorte de encontrar um senhor que não cumpriu aquela lei parva que dita que seres vivos como eu devem ser abatidos ao fim de sete dias naquele lugar. Ele não mata os animais como eu: jovens, saudáveis e prontos para ser a alegria de um lar. Parece um cliché, não é? Bom, todos os clichés têm um fundo de verdade, ou não seriam clichés. E a verdade é que lhe dei a volta. Ele adora animais, ou não teria escolhido Veterinária. Tratar de espécies que não se sabem queixar das dores que sentem não é para qualquer um! Contava eu que lhe dei a volta... é verdade. Nós, gatos, somos astutos. Fiz as gracinhas todas durante aquelas três semanas em que vivi no canil. De todas as vezes em que ele me deixou passear pelas instalações, ronronei até não poder mais, saltei para o colo dele sem que me chamasse, brinquei muito e mostrei-lhe como sou bem-comportado e mimado. Estive lá sem que ninguém me reclamasse. Posso ter sido abandonado ou simplesmente ter fugido de casa, mas ninguém me foi procurar. Foi por isso que apesar dos receios que a alergia da filha mais velha causavam, o senhor me trouxe para casa. Aqui está quentinho, não chove, tenho sempre comida, água e até me deram uma mantinha para eu dormir aconchegado. Mal cheguei, as meninas deram-me todo o mimo com que poderia sonhar. Mal a Mana Lamparina me pega ao colo, adormeço. E assim que a Menina Lamparina entra na cozinha pela manhã, faço questão de ronronar muito e de miar baixinho enquanto me deito de barriga para o ar com aqueles olhinhos de Gato das Botas. Descobri que ela sabe onde está a comida... e dão-me tanta que já engordei, numa só semana. Como a alergia dela não dá sinais de vida, acho que passei no teste e vou ficar aqui. Quero tanto ficar aqui! Gosto deles, tratam-me como se fosse importante. Acho que já sou. Devo ser.
Depois de ter sido salvo da rua, faço questão de mostrar toda a minha gratidão! Porto-me muito bem, uso sempre a casa de banho, brinco às escondidas com eles e só se zangam comigo quando tento caçar aquele coelho gigante que está na sala... no entanto, riem-se quando fico eriçado ao ver aquele cão enorme por perto... não entendo os humanos. Mas estes são fixes.


Apresento-vos o Balthazar, um gato com sete ou oito meses que parece uma vaca e que me faz sorrir todos os dias. 
Marca um milagre na minha vida, uma nova era: deixei de ser alérgica! Ainda nem acredito!!! Queria tanto voltar a ter um gato! Os médicos diziam-me que nem fazendo aqueles tratamentos com injecções me tornaria imune e de repente, dei por mim sem sintomas nenhuns de reacções alérgicas. Desde o episódio com o Botinhas que desconfiava... agora tenho a confirmação e não podia estar mais feliz!

11 comentários:

Borbulha na Testa disse...

Menina Lamparina, eu também era alérgica e o facto de ter uma gata cá em casa fez-me perder alergias. Ao início tive muitas reacções alérgicas, que foram desaparecendo com o tempo e com a convivência com a gatinha :) Agora, passados uns anitos, já não se manifesta qualquer reacção.

Beadelicious disse...

Oh adoro, é mesmo amoroso!! Eis algo para celebrar sem dúvida! Sou totalmente a favor da adopção, só ainda não o fiz porque tenho um bichinho que já requer muita atenção por ser velhote. :)

ML disse...

Lindo, lindo o Balthazar! :)

ML disse...

Lindo, lindo o Balthazar!

Tenho saudades de ter animais em casa.

S disse...

Que gato maravilhoso! Adoro animais são mesmo os melhores amigos que se pode ter!!!
Bj S

anovsca disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lena disse...

Que linda historia. Ainda bem que a alergia não se voltou a manifestar. O gatinho é lindo.
Beijinhos grandes.

Tamborim Zim disse...

Q lindo! E q ação maravilhosa fizeram. Tenho a certeza q terão no novo habitante das vossas vidas um eterno amigo:) Beijis!

A Bomboca Mais Gostosa disse...

Ahaha, que bom, parabéns! :)
É lindo o Balthazar :D

anovsca disse...

Querida Ana,
Vi a tua mensagem (naquele projecto de pseudo-blogue, do qual já nem me lembrava. Aliás, como raio lá foste parar?:)).

Dizer-te, desde já, que removi o comentário anterior por aselhice. Não costumo comentar em blogues, pelo que quando me apercebi de algumas gralhas – tipo gaita no lugar de gaiata (acredita, faz toda a diferença) – removi a coisa quando apenas lhe queria corrigir partes.

Certamente não me conheces, e não, não seria uma daquelas para quem poderias eventualmente olhar com admiração. LOL Mas mais velha, sim, sem dúvida. Dez anos, que é assim coisa para fazer alguma diferença… Conhecemos, contudo, pessoas em comum – do jornalismo – e, lá está, és filha do tal casal que aprendi a admirar (sobretudo porque tinham estilo) quando era eu uma GAIATA. Lembro-me que as pessoas, lá na vila, se referiam a eles como “os doutores” e eles tinham mesmo ar de quem tinha chegado de outras paragens (certamente mais cosmopolitas e muito menos tacanhas que Ansião, à época (sobre o hoje não comento))).

Perdoa-me falar publicamente dos teus pais, em particular do teu pai, mas é sobretudo para reiterar o que dissera no comentário apagado: sou-lhe grata pelo tanto bem que faz aos bichos que se cruzam nos vossos caminhos. O Balthazar, como te dissera, há-de marcar o início de uma nova vida para ti e não será apenas pelo fim das terríficas alergias. Verás!

Beijos e vou-te lendo diariamente. Aliás, o teu lamparina encabeça a lista dos meus favoritos, composta praticamente apenas por jornais online e afins.

Boa sorte e não desistas ainda do TEU jornalismo.

Guinhas disse...

Eu não preferir, prefiro cães mas apetecia me imenso ter um animal deestimaçao mas sou alérgica.Tenho receio..imagina que continuo alérgica, não o posso abandonar.