segunda-feira, 19 de março de 2012

Burberry Prorsum

Cada vez gosto mais. Sei que já estamos numa de Spring/Summer, que já anda tudo farto de casacos, trench coats e parkas, mas tinha que vos falar disto porque em todas as colecções fico um bocadinho mais apaixonada. Para mim, Christopher Bailey está para a Burberry como Riccardo Tisci para a Givenchy. Em vibes distintas, pois claro.  




Já viram bem esta peça? Linho, pêlo e pele. Apesar de não usar peles, não consigo deixar de vibrar com a harmonia entre os materiais. Resulta tão bem, mas tão bem, que chega a doer. Sem grandes tretas, sem exageros nem aplicações barrocas, surge algo usável. E com muita pinta. Subtilmente forte, sem quebrar a elegância feminina que queremos nos nossos closets.


Abram a imagem acima para verem com mais pormenor o tecido. O corte é maravilhoso, as riscas horizontais não assustam, a cintura está bem marcada com um toque de cor que corta a monotonia. A silhueta à Corto Maltese resulta quando aplicada ao feminino. Adoro.


E como os grafismos que nos remetem para o étnico estão em alta, claro que a marca não poderia tapar os olhos e assobiar para o lado. A peça-chave da Burberry genialmente reinventada. 


Para mim, as botas e os botins são o trunfo da Bruberry Prorsum. No entanto, tenho que admitir que estas sandálias têm tudo para se tornarem num objecto de desejo para o mulherio que não esteja tão farto de contas à volta do tornozelo como eu, que as vejo em todas as barraquinhas de praia há milénios. 

2 comentários:

mari disse...

tenho de comprar umas sandaloscas dessas :))

menina lamparina disse...

xD
Beijinho, mari*