sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

devo ter sido a última ingénua.

Romee Strijd
às vezes acho que perdi a capacidade de penar, de sofrer, de chorar. talvez tenha embrutecido, dado cabo da camada de pele que me sobrava para sentir, que agora nada amortece o choque, ele passa por mim. nem sequer é uma inércia, é só o olhar vazio e o cansaço. os braços caídos e pronto, mais vale continuar que a vida é para ser sobrevivida e quem já passou por tanto não esmorece por mais um tropeço. já nem sinto fúria, sai-me um porra em surdina e baixo os olhos. acho que embruteci. já me é difícil chorar, já me é difícil doer. há muito tempo que não me sentia tão farta de nadar contra a corrente e é com um esboço de sorriso que me apercebo que, afinal, foi sempre o que fiz. nadar contra a corrente. acho que devia deixar-me levar, de uma vez por todas. aceitar, conformar-me, deixar estar. pensar dá trabalho e ninguém quer saber do que sei. saber não me safa. no fundo, talvez seja só uma miúda com a mania que é esperta. no fundo, talvez nem exista esse poder todo que sempre acreditei que tinha. e não é isso que somos todos? uma merdinha no meio desta azáfama toda que nem compreendemos?

5 comentários:

Filipa disse...

Não te estou a reconhecer!

Usa as energias e esforços para aqueles e aquilo que realmente merece.

Apita (i.e. escreve um mail) se precisares de desabafar ou ouvir (i.e. ler) elogios.
Ou então, lê o teu próprio blog desde o principio...super good mood! Depois vais-te aperceber: "ah espera, estou sou eu :)"

Beijinho enorme,

Filipa

www.welc-home.blogspot.com

Malas e Sapatitos disse...

É só uma fase, mesmo que agora esteja mau, amanhã vai ser melhor. É assim que tento pensar quando me sinto como descreveste...

Ao Virar da Esquina disse...

Hoje sou eu a dizer que não gosto do que li... ai ai ai.
Tu és muito mais que isso.

Beijinhos
Su

Imperatriz Sissi disse...

Este post dá-me que pensar...também me tenho sentido assim. Em certas fases da vida, de tanto dar o peito às balas, até perdemos a capacidade de desabafar. Mas depois as coisas boas aparecem e "derretemos" outra vez. Como o mel que se conserva endurecido muito tempo e amolece quando o pomos em banho maria.

menina lamparina disse...

Filipa, o teu comentário foi mesmo especial. Sim, às vezes também me esqueço de quem sou e preciso que me dêem um toque para voltar ao normal.
Obrigada... :)*

Sofia, eu penso sempre dessa maneira. Sempre. Porque sei que é verdade, que depois da noite vem o dia, depois da tempestade o sol volta a espreitar e não há mal que sempre dure. Mas aqui não pára de chover há meses. Fico cansada...
Obrigada*

Obrigada, Su* Eu sei que sim. Acredito que depois da porcaria da melancolia do Natal isto volta ao normal. :)*

Imperatriz, essa imagem do mel é fantástica. A exaustão embrutece-me, são tantas coisinhas chatas, tantas desilusões, tantos pormenores que me esqueço de mim e de como não me posso deixar afectar. Dou por mim sem capacidade de manifestar o meu desagrado. Estou à espera que passe... :)*

Beijinhos*