sexta-feira, 19 de agosto de 2011

A vida é como as marés.

Kate Winslet
As histórias nunca acabam. Só acabam quando uma das personagens morre. Refiro-me aos casos de amor, aos affairs, às paixonetas, claro. Até aos little crushes, que não passam disso mesmo. Repito estas palavras dezenas de vezes. É que a vida é longa, embora nos esqueçamos disso, perdidos por entre a azáfama dos dias. Quando nos cruzamos com alguém que tornamos objecto de atracção, esse momento não é isolado. Qualquer dia, mais dia, menos dia, as estradas tocar-se-ão. E damos de caras outra vez com aquela pessoa de quem já não nos lembrávamos. São como pequenos encostos que trazemos presos à nossa sombra. Enquanto estivermos debaixo da mesma lua, não desaparecemos para sempre, ainda que um longo período de afastamento nos faça acreditar que sim, que acabou. E na próxima volta do carrossel, lá está o tal antigo alvo de uma já extinta paixão. Num inesperado encontro numa esplanada. Num telefonema desesperado. Num inocente convite para café. No trânsito. No mural do Facebook. Na cidade que partilharam ou a quinhentos quilómetros de casa. Numa festa. Num museu. Numa discoteca. No café a que iam sempre, mas com outra ao lado. À frente da praia, a ajudar a nova esposa a arrumar o carrinho do bebé. No estádio com os amigos. É assim. E não há como fugir. A vida é como as marés, traz e leva quando quer. Faz isso com as pessoas. E as histórias só acabam quando um dos dois morre.

7 comentários:

Miss Pink disse...

olá menina lamparina..gostei muito do post, está bem visto! quem me dera que a vida ainda me traga na maré a pessoa de quem gosto...
vê o post e percebes o que digo http://confissoesnaareia.blogspot.com/2011/08/nao-me-amas.html

Muah

menina lamparina disse...

:(

Li.
Sei tão bem como é estar nesse lugar...

Tudo o que se diz são só palavras, mas por experiência posso mesmo dizer-te que a história não acaba simplesmente porque as pessoas assim decidem. Não comandamos o nosso percurso tanto quanto cremos, porque não mandamos no coração. Quando menos esperares, terás esta teoria comprovada. Quando menos esperares, haverá um novo acontecimento na vossa história. Enquanto a maré não te traz aquilo por que esperas, aproveita o tempo para investir em ti e em coisas de que gostes.

Enquanto isso, força aí desse lado!
Beijinho*

Joaninha.porto disse...

Oh Ana, valha-me Deus! Tu adivinhas o que se passa deste lado..como? =( *

Imperatriz Sissi disse...

Independentemente dos sentimentos que ficaram pela pessoa em causa, esses reencontros provocam-me sempre uma nostalgia insuportável.
É das poucas coisas que me levam às lágrimas sem que perceba porquê...

Lena disse...

Tenho de concordar contigo ananás, aliás como tu já bem sabes:) Mas gosto que assim seja, caso contrário tudo seria bem mais insípido, pequeno, assim sem conteúdo...não achas?:)beijinhosssssssssss

Miss Pink disse...

Espero que a maré traga de volta... Gosto do que escreves.. Obrigada pelas palavras =) Muahs

menina lamparina disse...

Joaninha, tenho uma bola de cristal aqui... ;)

Imperatriz, tudo bem? :)* Tento aceitar esses reencontros com naturalidade, mas raramente me agradam. Poderia até ser mais sincera e dizer que nunca me agradam, mas seria demasiado bruto... Espero que a maturidade me endureça.
Por outro lado, a Lena tem razão. Estes pequenos pormenores são o sal da vida...

Beijinhos a todas e... não tens que agradecer, Miss Pink*