segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Eles cosem estórias.

Luís (o Tailor) e João (o Story)
Ela queria o vestido perfeito, como todas as noivas. Assim que entrámos no atelier, soube que não teríamos de procurar mais. Do nada, surgiu o vestido de noiva mais bonito com que a poderia imaginar. O gosto dela rabiscado numa folha de papel. Prova após prova, fomos confirmando que a escolha não poderia ter sido melhor. Tinha o inconfundível toque Storytailors e a simplicidade dela. Sóbrio, clássico, mas divertido.
Claro que já seguia o trabalho deles, já conhecia o percurso da dupla e reconheço à distância as suas peças. No entanto, com o (pouco) contacto que tive com o João Branco, enquanto assistia à evolução da criação para o grande dia, apercebi-me da consistência do trabalho deles. É muito mais que corpetes, espartilhos e jogos de volumes. É mais que a teatralidade. Há uma raiz para cada ideia, há um contexto histórico inspirador, há um profundo conhecimento da roupa em si ao longo dos tempos. Claro que não poderia ser de outra forma, que quem trabalha numa área, tem de a dominar. Mas foi interessante confirmar isso.
Mais interessante ainda foi, no dia do tão esperado casamento, poder trazer à baila uma peça específica de uma determinada colecção de uma outra dupla de criadores e não ter que explicar nada, como é habitual. Eles sabiam do que falava e acabei por aprender qualquer coisa. E é tão raro aprender qualquer coisa numa conversa informal. E é tão raro aprender qualquer coisa numa conversa aparentemente fútil - que há quem julgue as pessoas que, como eu, apreciam aquilo que nos cobre, nos calça e nos adereça. Há quem não entenda a excitação de ter a Vogue de Setembro nas mãos, de temer tendências, adorar outras e de estar em pleno Agosto, sentada na toalha de praia e em frente ao mar, a descobrir como aplicar certas nuances ao meu dia-a-dia.
Além de tudo isto, a simpatia deles, a conversa fluída sobre assuntos banais, a dissertação colectiva sobre relações à mistura com gargalhadas, lembrou-me de que somos todos pessoas para lá dos profissionais. O João e o Luís não se limitaram a marcar presença no casamento e a ajudar a noiva a transformar o vestido ou a apertar o corpete. E sabe bem conhecer pessoas assim.
Noivas e futuras noivas, não se intimidem: vale a pena tê-los a executar o vosso vestido, mesmo tendo em conta os custos em tempos de crise. O preço não é horrívelmente alto como imaginei que pudesse ser. Os serviços prestados são únicos. A experiência é fantástica. Eles são uns amores.

2 comentários:

Joaninha.porto disse...

Desconheço o trabalho desses senhores..mas fiquei curiosa! Estão a tratar do teu vestido? :) *

menina lamparina disse...

http://www.storytailors.pt/ ;)

Conheces os Storytailors. Já os viste nos vestidos da Sónia Tavares dos The Gift, reparaste nas roupas dos Amália Hoje... Eles não estão a fazer o meu vestido porque ainda não comecei a pensar nisso à séria, mas fizeram o de uma amiga minha, de quem fui recentemente dama de honor. Os apliques de rede que tínhamos na cara, suportada por flores presas no cabelo, foram também obra deles. O trabalho deles é brutal. Mesmo.