quinta-feira, 16 de setembro de 2010

São marionetas.

Tyra Banks
Não sabem, mas são controlados por mim. São os meus dedos, por detrás de um computador qualquer, que mexem com aqueles egos de gente pequena. Sou eu que os irrito, que os firo, que os amanso. É pelas minhas palavras que se sentem orgulhosos do seu bom trabalho ou envergonhados pela má conduta. São previsíveis. Quando escrevo, sei quais serão as reacções de quem me lê. Sei. E não ter medo e avançar, realiza-me. É esse o prazer da escrita fora de um diário. É esse o prazer de ser maior, antecipar respostas, contornando obstáculos e percorrendo atalhos. É divertido observar os comportamentos dos que se julgam maiores. Dos que se vêem como detentores de um intelecto superior. São os primeiros a apontar o dedo à superficialidade de quem não é bafejado pelo azedo sorriso da ignorância, mas vistos cá de cima, são o enxofre da sociedade.

2 comentários:

Bart disse...

Como já te disse: Tens a alma nos dedos!... Boas férias Manita. Love U!

menina lamparina disse...

:)*