segunda-feira, 9 de agosto de 2010

medo

Sienna Miller
Assusta-me sempre, mesmo quando não devia. O futuro não é só a luz que se vê no amanhã, é também o trilho escuro e desconhecido. Não são apenas os planos que idealizamos, mas também o incerto, o acaso, o imprevisto. Pode ser o susto, pode ser a surpresa.
Quando estamos bem - e isto foi acontecimento raro ao longo da minha existência - não queremos mudar. Não quero mudar. Estou bem assim. Gosto da vida que montei de repente. Gosto do mundo como o vejo agora, não estou preparada para uma transição brusca. Não quero perder este prazer de acordar pela manhã e ver o que vejo da janela do meu quarto. Esteja a chover ou a fazer este calor abafado e que mal me deixa respirar, são esses os passos que gosto de dar, um atrás do outro, cumprindo as etapas do meu dia. Da minha semana. Do meu mês. Nunca o tempo havia passado tão depressa na minha vida. Nunca o tempo tinha sido tão leve. Nunca me sentira com tanto receio de descer um degrau. A mera hipótese de ser forçada a fazê-lo aperta-me o coração - e eu que me achava incapaz de ser adulta, responsável e séria. Experimentei e gostei. Agora não quero sair daqui.

2 comentários:

Mimi disse...

tudo acontece por uma razao. e o que tem de ser, tem muita força. deixa as coisas acontecerem naturalmente. :)

menina lamparina disse...

deixo. de mão dada contigo não tenho medo de nada :)*