quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Só é chato ter que trabalhar logo no segundo dia do ano.

Miranda Kerr
A minha passagem de ano foi uma prova clara de que os imprevistos podem tornar-se em algo memorável. Não fui onde pensava ir e resolvi ficar por casa. No dia 30, despachei as compras todas para não voltar a sair até hoje. E assim foi: dia 31 acordei e depois de comer uma sopinha - já na mira dos estragos que viriam a ser feitos mais tarde - eu e a Mana Lamparina pusemos mãos à obra. Fizemos aperitivos, entradas, adiantámos o prato principal, terminámos doces... e preparámos uma jantarada bem fofinha. Vestidas a rigor, fomos recebendo os amigos que iam chegando e que traziam com eles mimos que tornaram o réveillon ainda mais especial. Vieram até aqueles que antes pensavam que não poderiam vir e inaugurámos novas tradições. Só ingeri bebidas cor-de-rosa, a minha cor preferida. À mesa fomos sete, o meu número preferido. E eram também sete da manhã quando demos por encerrados os festejos. Estive em família, que os laços não exigem consanguinidade para que se tornem fortes. Diverti-me muito e à meia-noite estive em pensamento com outros amores, os que não tinha por perto do corpo. Ri, cantei, dancei, comovi-me... acima de tudo, senti-me grata. Deitei-me por volta das nove e meia da manhã. E não saí de casa, nem no primeiro dia do ano, que passei em modo «continuação do enfardamento» e a tratar da pele do rosto, já que estas comilanças não ajudam nada à saúde.
Resolução de ano novo: detox e dieta rigorosa. E desse lado? Tudo bom e gostoso?

2 comentários:

Ana Catarina disse...

Que 2014 seja muito, muito melhor!!! :)

A Página Trinta disse...

Por aqui, foi em casa, ao quentinho da lareira e com a companhia da família!:)
Espero que o resto do teu ano seja como foi a tua passagem de ano... Rodeada das pessoas que gostas e que te comovas vezes sem conta com a felicidade!
Beijinhos e Feliz 2014!*